Justiça mantém prisão temporária de empresário apontado como líder em esquema de desvios de dinheiro da Codevasf no MA - PORTAL TOP MÍDIA

Notícias

Justiça mantém prisão temporária de empresário apontado como líder em esquema de desvios de dinheiro da Codevasf no MA



A Justiça Federal manteve, nesta quinta-feira (21), a prisão temporária do empresário Eduardo José Barros Costa, preso nessa quarta-feira (20), em uma operação da Polícia Federal (PF), que investiga suspeita de desvios Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) no Maranhão.


A decisão é do juiz Luiz Régis Bomfim Filho, da 1ª Vara Federal Criminal, após uma audiência de custódia realizada nesta quinta-feira, em São Luís, que contou com advogados do empresário, representantes do Ministério Público Federal (MPF) e da Codevasf.


No documento, a Polícia Federal (PF) argumentou, como manutenção para a prisão, que Eduardo Costa foi surpreendido com diversos cartões em nomes de empresas investigadas, o que reforça a tese de lavagem de dinheiro e risco de ocultação do patrimônio.


A Polícia Federal diz, ainda, que foi encontrado mais de R$ 1 milhão em uma das residências do suspeito e que o local era aparentemente protegido por um segurança armado, supostamente um policial militar. Segundo a PF, a quantia apreendida ainda segue sendo contada.


A PF afirmou que, no momento da prisão, pediu um documento pessoal a Eduardo Costa, que afirmou que tinha perdido e só teria no celular. Entretanto, o empresário negou mostrar o documento no aparelho aos policiais federais.




Ministério Público Federal (MPF) também pediu a manutenção da prisão, para seguir com as investigações a respeito do caso. Os detalhes sobre os supostos desvios de recursos públicos ainda estão sob sigilo.


Com a decisão, o empresário Eduardo Costa segue preso no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís.


Como esquema é feito


Na prática, o esquema não é novo e é uma cópia do que já era realizado em 2015, na cidade de Dom Pedro (MA), onde a Polícia Civil do Maranhão fez uma grande operação e chegou a prender o empresário Eduardo José Barros Costa, apontado como líder do grupo criminoso.